quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

CTRL+C CTRL+V

apurar? mas pra quê? dá um trabaaaaalho...

As senhoras e senhores decerto irão concordar que a releasemania não é de todo nova, como atesta o livro homônimo de Gérson Moreira Lima.

Ainda no início dos anos '80, à sombra do regime militar, o autor questionava se o excesso do uso do release nos jornais seria reflexo da dificuldade do acesso dos jornalistas brasileiros às fontes, ou se o inverso, ou seja, se a ‘avalanche’ dos releases não seria um fator diretamente "responsável pelo fechamento das fontes de informação".

O sociólogo francês Erik Neveu (em "Sociologia do Jornalismo") também lembra que, na longínqua década de '20 do século passado, boa leva das notícias publicadas nos jornais norte-americanos provinha de assessorias de imprensa.

Posso estar com saudades do futuro, mas no meu entender esse processo de uso e abuso de releases vem de longe, é certo, mas está vivendo o ápice é nos dias de hoje.

A quantidade de exemplos de releases publicados na íntegra, assinados até, é um forte indicador. Alguns colegas me escreveram para relatar casos parecidos - alguns beiram o surreal pela cafajestada e preguiça.

Agora, permitam-me um teaser. Amanhã, posto aqui um caso de publicação de release sui generis: rendeu manchete de caderno, continha um erro absurdo de informação e, naturalmente, a assinatura do repórter (?) brilhava no alto da página. Não percam!

Um comentário:

eduarda disse...

E falta muito pra chegar amanhã? ;)