sábado, 19 de janeiro de 2008

Assum Preto

Na música de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, o assum preto, pássaro do sertão, tem os olhos furados para cantar melhor.

Hoje, numa raríssima aparição na praia, meus óculos de grau (e põe grau nisso), companhia certa desde a infância, foram embora com a primeira onda nas águas mornas da Praia de Boa Viagem.

Tal qual a ave imortalizada por Gonzagão, fiquei sem prumo. Quem sabe, numa paráfrase à letra magistral da dupla, eu passe a escrever melhor e consiga concluir todos os artigos que preciso entregar até o final do mês.

Por enquanto, acho que ainda não encontrei meu rumo nos textos acadêmicos. Mas eu chego lá, com as bênçãos de Iemanjá, que deve ser míope como eu. Que meus óculos a sirvam bem.

Assim sendo, fiquem com a bela toada, que eu não estou enxergando lhufas para escrever uma linha a mais que seja:

Assum Preto

Composição: Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira

Tudo em vorta é só beleza
Sol de Abril e a mata em frô
Mas Assum Preto, cego dos óio
Num vendo a luz, ai, canta de dor
Tarvez por ignorança
Ou mardade das pió
Furaro os óio do Assum Preto
Pra ele assim, ai, cantá de mió
Assum Preto veve sorto
Mas num pode avuá
Mil vez a sina de uma gaiola
Desde que o céu, ai, pudesse oiá
Assum Preto, o meu cantar
É tão triste como o teu
Também roubaro o meu amor
Que era a luz, ai, dos óios meus
Também roubaro o meu amor
Que era a luz, ai, dos óios meus

2 comentários:

Gazeta de Notícias disse...

Belíssima lembrança. Hoje estou, em meu jornal Gazeta de Notícias, região do Cariri - Sul do Ceará, fazendo referência ao pássaro Assum preto e por consequencia a música de Humberto Teixeira (de Iguatu Ceará) cantada pelo saudoso e inesquecível Luiz Gonzaga, nascido na nossa vizinha cidade do Exu Pernambuco.
Oportuno trabalho. Parabéns.

Adriana Santana disse...

Obrigada pela visita e comentário! Um abraço a todos do Cariri.