quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

A que venho e o que procuro

Caríssimos,

Em 2005, eu defendia a dissertação de mestrado CTRL+C CTRL+V, O Release nos Jornais Pernambucanos, sobre a ingerência das assessorias de imprensa na produção jornalística de periódicos do Recife.

A questão que me moveu ao tema era simples: mapear, qualificar e entender o processo que levava os jornais a fazer uso contumaz de informações oriundas de assessorias de comunicação, por vezes relegando o papel de definição de pautas, apuração e até redação final a essas instâncias.

A partir de reflexões advindas dessa pesquisa, cheguei à persona do ‘jornalista cordial’ - expressão calcada no conceito de ‘homem cordial’ de Buarque de Holanda (2003 [1936]), podendo ser definido como aquele profissional que, relegando apuração e compromisso com a busca dos fatos, numa postura de agradar a todos (ou não desagradar a ninguém), acaba por não cumprir sua função social de investigador e responsável por levantar e disseminar informações do interesse dos cidadãos.

Assim como a feliz conceituação do sociólogo, a expressão de cordialidade estaria longe de significar 'boas maneiras’ e civilidade. Tomando de empréstimo essa figura, decidi que a questão demandava maior fôlego. Foi assim que começou a minha pesquisa de doutorado, em março de 2007, pela qual proponho uma investigação extensa (mas não extenuante!) sobre o papel da apuração no jornalismo contemporâneo.

Este blog nasceu da paixão pelo tema. Meu objetivo é fazer desse espaço um lugar de discussões, opiniões e pitacos a respeito dos (des)caminhos da investigação no jornalismo. A enquete ao lado é um começo. Conto com vocês para o enriquecimento dessa minha trajetória.

8 comentários:

Vitor Menezes disse...

Muito bacana. Dia desses li artigo sobre as relações da imprensa com o poder em Brasília. A autora usava a expressão "jornalismo híbrido" para designar esta relação das redações com as assessorias. É um tema instigante e necessário. Parabéns e boa sorte.

Ivany disse...

Muito legal Adri! Estarei sempre por aqui opinando sobre os temas propostos... Você está de parabéns.

Joana disse...

seja bem-vinda ao mundo dos blogs, Adri.
Já me interesso em ser sua leitora de antemão.
bjs
Joana Aquino

Doidas, porém ligadas disse...

Gata, tu arrasa!
Mt feliz essa idéia de "ampliar as mídias" sobre o assunto da tua tese, de promover discussão, enfim interagir.
Por mim, vou contribuir com seu objeto de estudo sempre!
;)
mannu

Eduarda disse...

Discutir sobre esse tema é sempre interessante. E a história do 'jornalista cordial' foi realmente uma grande sacada. Às vezes os jornalistas publicam verdadeiras cópias dos releases e, quando não, modificam pouquíssimas coisas. Dá uma sensação de apatia, pouco comprometimento, desrespeito com o leitor. Espero poder saber mais sobre o assunto através da tua pesquisa. Boa sorte!

Reges.ts disse...

Olá Adriana

Sucesso no blog e principalmente também na pesquisa!

Parabéns pela iniciativa.

Se quiser nos linkar aqui ficaremos felizes>

Reges Schwaab
NUPEJOR

Núcleo de Pesquisas em Jornalismo da UFRGS

http://nupejor.blogspot.com

Adriana Santana disse...

a todos, obrigadíssima pela força. espero vê-los sempre por essas paragens. também fiquei bem feliz com as menções no NUPEJOR e GJOL. vida longa às reflexões jornalísticas!

baroni disse...

Bastante interessante a sua apropriação do "homem cordial", de Sérgio Buarque de Holanda, para o re-pensar do fazer jornalístico.
O meu primeiro contato com o seu blog foi surpreendedor... !
Parabéns pelo vigoroso trabalho.